A ARTE DA GUERRA ou DA VIDA

Querida Juju – Maria Júlia,

O olho vê,

a lembrança revê,

A imaginação transvê

É preciso transver o mundo”

(Manoel de Barros)

A leitura do mundo precede a leitura da palavra”,  (Paulo Freire)

Olhar apenas para uma coisa não nos diz nada, cada olhar leva a uma inspeção, cada inspeção a uma reflexão, cada reflexão a uma síntese, então podemos dizer que em cada olhar atento ao mundo, ja estamos teorizando”, (Goethe)

Este livro, “A Arte da Guerra”, que pode ser também, a arte da vida, pois a vida é uma guerra diária, trás junto um simbolismo da importância cultural da civilização milenar chinesa, na qual a civilização da Grécia nos deixou registrado sua importância, escreveu Herodotus, há 2500 anos: “O Oriente é o berço de toda civilização e toda sabedoria”.

O ato da leitura, numa perspectiva da evolução humana, é recente em nossa história, enquanto quase todas as pessoas no mundo dominam a capacidade de falar, pois é uma evolução de mais de 100 mil anos, não são todos que dominam a capacidade de ler, uma evolução mais recente, dos últimos dois ou trem mil anos.

Um provérbio chinês simboliza essa imagem, essa mensagem, “é melhor viajar dez mil quilômetros do que ler dez mil livros.

O ato e a jornada solitária de ler, não é somente o que lemos nas palavras escritas, mas o que se passa entre o ato da leitura e a nossa mente, o nosso imaginário lendo e traduzindo para nossa realidade presente, para o momento de sua vida.

Tenho comigo que as frases de Manoel de Barros, Paulo Freire e Goethe acima, mostra de forma brilhante essa ideia, pois lemos de tudo no mundo, o olhar, as palavras, os gestos, as imagens e tudo o mais que se vê, que se imagina, que se toca, que se tem experiência.

Creio que não existe um mundo, mas vários, como diz o poeta Manuel de Barros em seu “idioleto manuelez” (O LIVRO DAS IGNORÃÇAS/ Doc.: SÓ DEZ POR CENTO É MENTIRA), (…) “todos os caminhos levam a ignorância,..,[…] poesia não é para compreender, poesia é para incorporar”. Continua o poeta, quem descreve copiando os outros não é dono do assunto, mas quem cria e inventa é, será eternamente o dono dele, portanto, desvende os mundos que cruzar pela sua vida, descubra-os, crie e invente o seu mundo de harmonia e felicidades.

Pode-se dizer, que este livro esta dentre aqueles especiais, como Goethe, Manuel de barros, Paulo Freire e muitos outros, para aprender e desaprender várias leituras de vida ao longa de sua jornada, para você  ver e transver o mundo, assim desejo a você.

Boa leitura, de livros e de mundos.

Beijos no coração,

A Arte da Guerra

Da introdução no FB:

Caros amigos,
Um livro para a Juju – Maria Julia Ferraz – que é filho dos meus amigos,Neilor Pedroso– my brother- e Mara Ferraz Pedroso, uma jovem menina moça, e já nas aulinhas de alemão, ela acha o inglês fácil, fácil.
A minha geração de jogar bolinha de gude e roubar manga no fundo do quintal, é bem diferente, mas muito diferente da nova geração digital, e a velocidade e aceleração de mudança do novo mundo digital está apenas começando, a verdade é que não fazemos ideia das mudanças que estão por vir.
Fiz uma dedicatória do livro para Juju, e gostaria de dividir com os amigos, como os filhos dos amigos, Vitória Ferraz, Lais Borges, Sophia Borges,Matheus Andreus, Vitor Dassan, Maine Dassan, Naara, …..,
com os meus sobrinhos, Guilherme Bosso, Murilo Bosso, Rafael Bosso, Lais Belussi e todos os jovens da geração digital. A dedicatória não é grande, mas creio também não é pequena para a orelha do livro, por isso vai na orelha digital, pois o livro ela vai receber só amanhã.

Anúncios