Marina Abramović desembarca no Sesc Pompeia: Terra Comunal

Principal expoente da arte de performance no mundo, Abramovic (Belgrado, Sérvia, 1946 – vive em Nova York) estará no Brasil entre os dias 11 de março e 10 de maio de 2015, no Sesc Pompeia, com a exposição “Terra Comunal – Marina Abramovic + MAI”, a maior retrospectiva já realizada na América do Sul.

No início de 2014, a artista esteve em São Paulo para conhecer o espaço projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi e logo gostou do que viu. “Quando cheguei no Sesc Pompeia estava chovendo. Sem ter um guarda-chuva, do carro, corri para dentro do prédio sem qualquer preparação para o que eu estava prestes a ver. Estávamos no meio da tarde e o espaço estava cheio de pessoas, crianças e famílias. Havia uma grande energia, já que todo mundo estava ocupado com coisas muito diferentes para fazer. Encontrei também uma área muito tranquila, as pessoas simplesmente lendo o jornal, estudando os livros, sentados conversando, olhando as exposições, crianças brincando com objetos… era um verdadeiro espaço de convivência. Uma fábrica de energia. E eu gostei imediatamente. Havia tipo um sentimento de democracia. Um rio atravessava o espaço. E havia uma lareira. Alguns cristais e pedras foram colocados em diferentes cantos, marcando pontos de energia. Este não é um espaço normal de exposição onde se exibe Arte como museus e centros culturais de arte contemporânea que você encontra na Europa e na América. Tudo neste espaço é diferente. E o diferente é que nele há uma espécie de redemoinho energético, cheio de curiosidade, inocência e simplicidade. Eu nunca trabalhei nesse tipo de espaço antes. E a primeira coisa na qual pensava era no que faria sentido eu fazer ali… Uma exposição convencional definitivamente não seria. A pior solução possível seria pendurar fotos e colocar esculturas no espaço. Então, o meu conceito agora, e que acredito ser a melhor solução possível, é mostrar a beleza do espaço sem construir paredes, pontes ou qualquer obstáculo que possa obstruir a visão. Eu gostaria de preservar a aparência de fábrica do espaço e destacar a energia humana visível nele. E o melhor título possível é: Terra Comunal”, conta Marina.

A primeira parte da exposição, Terra Comunal – Marina Abramovic, reúne três instalações de Abramovic: The House with the Ocean View (A Casa com Vista para o Mar), que traz a narração das ações da artista durante a performance de doze dias apresentada em  Nova York, em 2002; The Artist is Present (A Artista está Presente), com as duas cadeiras da exposição no MoMA, em Nova York, e projeções que mostram de um lado o público que participou da performance em 2010 e, do outro lado, Marina Abramovic olhando cada um deles; e a inédita 512 Hours (512 Horas), criada a partir da performance realizada na Serpentine Gallery, de Londres, no ano passado.

Com a curadoria de Jochen Volz e assistência de Catarina Duncan, esta primeira parte da exposição conta ainda com uma seleção de vídeos de performances históricas da artista e seus Objetos Transitórios, criados a partir das primeiras visitas de Abramovic ao Brasil, desde 1989, onde pesquisou minerais e pedras preciosas e suas influências no corpo humano.

A segunda parte do projeto, Terra Comunal – MAI (Marina Abramovic Institute), apresentará a maior experiência já aplicada das propostas do instituto em todo o mundo. O público poderá conhecer e participar do Método Abramovic, praticando uma série de atividades imersivas durante um período de duas horas, a fim de explorar as fronteiras da arte imaterial e das performances de longa duração. “Vivemos num mundo de constantes distrações. Os exercícios do Método permitem que as pessoas experimentem o tempo de estar com elas mesmas, a quietude e a ausência de necessidades. Isto possibilita ao participante absorver e apreciar melhor as performances de longa duração”, destaca a artista.

Oito artistas brasileiros – selecionados por Marina Abramovic e as curadoras Paula Garcia e Lynsey Peisinger – realizarão performances autorais de longa duração durante a exposição. São eles: Ayrson Heráclito (Transmutação da Carne), Fernando Ribeiro (O Datilógrafo), Grupo Empreza (Vesúvio), Maikon K (DNA do DAN), Marco Paulo Rolla (Preenchendo o Espaço), Maurício Ianês (O Vínculo), Rubiane Maia (O Jardim), além de Paula Garcia (Corpo Ruindo).

Em Terra Comunal – MAI, ainda há um espaço dedicado ao aprofundamento de pesquisa sobre performances e arte imaterial, denominado Space In Between (Espaço Entre), onde acontecerão palestras e atividades com artistas e convidados de diferentes áreas. Os encontros com Marina Abramovic no Teatro também integram a programação desta segunda parte do projeto.

Em breve, no Portal do Sesc em São Paulo, você poderá acessar um site com conteúdos exclusivos relacionados à exposição, além da programação completa e informações para participação.