Feliz Ano Novo! O Brasil não é feito só de ladrões: Mauro Santayana

(…) “As passagens de um ano para outro, deveriam servir para isso: refletir sobre o que somos, e reverenciar patriotas do passado e do presente.”

Leonardo Boff

Mauro Santayana é colega como colunista do Jornal do Brasil online. Considero-o um dos jornalistas mais experimentados e cultos de nosso jornalismo brasileiro. Este texto vai na contramão do pessimismo reinante no país, em grande parte induzido por aqueles que não aceitam o caminho político inaugurado há anos que colocou o social como eixo maior da política de Estado e criou políticas republicanas que permitiram a inclusão de milhões de brasileiros que estavam à margem do processo social na pobreza e na miséria. Este texto não fala de políticos nem de partidos. Fala do povo brasileiro e de sua operosidade. Ele tem o condão de mostrar um outro Brasil, da grande maioria anônima, que trabalha duro, que leva avante projetos de grande envergadura com entusiasmo e orgulho de estar ganhando dignamente sua vida e corroborando na construção de um um país desenvolvido e justo. Eles não são mostrados e comentados…

Ver o post original 1.552 mais palavras

Índia

Blog Cidadania & Cultura

Taj_Mahal,_Agra,_India

Em torno de 6500 a.C., houve o início da agricultura. Entre 3300-1500 a.C., ocorreu a ascensão e o desaparecimento da civilização do Vale do Indo ou Civilização Harappa. A provável chegada das tribos indo-arianas foi entre 1500-1200 a.C., sendo que o Período Védico, com ascensão da civilização hindu no norte da Índia e composição dos vedas vai até 600 a.C.. O período de vida de Buda foi 566-486 a.C.. Daí finca-se dois marcos históricos fáceis de memorizar: de 500 a.C. até 100 d.C. houve a composição do épico Ramaiana e de 400 a.C. até 400 d.C. houve a composição do Mahabárata. Foi quando foi feita a compilação gramática do sânscrito desses dois épicos fundadores da cultura-e-costumes indianos.

A história da civilização hindu é uma das mais antigas e fascinantes do mundo. Mas a Índia tem um dos mais novos Estados de países emergentes: apenas 65 anos de independência…

Ver o post original 926 mais palavras