Marina Abramović desembarca no Sesc Pompeia: Terra Comunal

Principal expoente da arte de performance no mundo, Abramovic (Belgrado, Sérvia, 1946 – vive em Nova York) estará no Brasil entre os dias 11 de março e 10 de maio de 2015, no Sesc Pompeia, com a exposição “Terra Comunal – Marina Abramovic + MAI”, a maior retrospectiva já realizada na América do Sul.

No início de 2014, a artista esteve em São Paulo para conhecer o espaço projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi e logo gostou do que viu. “Quando cheguei no Sesc Pompeia estava chovendo. Sem ter um guarda-chuva, do carro, corri para dentro do prédio sem qualquer preparação para o que eu estava prestes a ver. Estávamos no meio da tarde e o espaço estava cheio de pessoas, crianças e famílias. Havia uma grande energia, já que todo mundo estava ocupado com coisas muito diferentes para fazer. Encontrei também uma área muito tranquila, as pessoas simplesmente lendo o jornal, estudando os livros, sentados conversando, olhando as exposições, crianças brincando com objetos… era um verdadeiro espaço de convivência. Uma fábrica de energia. E eu gostei imediatamente. Havia tipo um sentimento de democracia. Um rio atravessava o espaço. E havia uma lareira. Alguns cristais e pedras foram colocados em diferentes cantos, marcando pontos de energia. Este não é um espaço normal de exposição onde se exibe Arte como museus e centros culturais de arte contemporânea que você encontra na Europa e na América. Tudo neste espaço é diferente. E o diferente é que nele há uma espécie de redemoinho energético, cheio de curiosidade, inocência e simplicidade. Eu nunca trabalhei nesse tipo de espaço antes. E a primeira coisa na qual pensava era no que faria sentido eu fazer ali… Uma exposição convencional definitivamente não seria. A pior solução possível seria pendurar fotos e colocar esculturas no espaço. Então, o meu conceito agora, e que acredito ser a melhor solução possível, é mostrar a beleza do espaço sem construir paredes, pontes ou qualquer obstáculo que possa obstruir a visão. Eu gostaria de preservar a aparência de fábrica do espaço e destacar a energia humana visível nele. E o melhor título possível é: Terra Comunal”, conta Marina.

A primeira parte da exposição, Terra Comunal – Marina Abramovic, reúne três instalações de Abramovic: The House with the Ocean View (A Casa com Vista para o Mar), que traz a narração das ações da artista durante a performance de doze dias apresentada em  Nova York, em 2002; The Artist is Present (A Artista está Presente), com as duas cadeiras da exposição no MoMA, em Nova York, e projeções que mostram de um lado o público que participou da performance em 2010 e, do outro lado, Marina Abramovic olhando cada um deles; e a inédita 512 Hours (512 Horas), criada a partir da performance realizada na Serpentine Gallery, de Londres, no ano passado.

Com a curadoria de Jochen Volz e assistência de Catarina Duncan, esta primeira parte da exposição conta ainda com uma seleção de vídeos de performances históricas da artista e seus Objetos Transitórios, criados a partir das primeiras visitas de Abramovic ao Brasil, desde 1989, onde pesquisou minerais e pedras preciosas e suas influências no corpo humano.

A segunda parte do projeto, Terra Comunal – MAI (Marina Abramovic Institute), apresentará a maior experiência já aplicada das propostas do instituto em todo o mundo. O público poderá conhecer e participar do Método Abramovic, praticando uma série de atividades imersivas durante um período de duas horas, a fim de explorar as fronteiras da arte imaterial e das performances de longa duração. “Vivemos num mundo de constantes distrações. Os exercícios do Método permitem que as pessoas experimentem o tempo de estar com elas mesmas, a quietude e a ausência de necessidades. Isto possibilita ao participante absorver e apreciar melhor as performances de longa duração”, destaca a artista.

Oito artistas brasileiros – selecionados por Marina Abramovic e as curadoras Paula Garcia e Lynsey Peisinger – realizarão performances autorais de longa duração durante a exposição. São eles: Ayrson Heráclito (Transmutação da Carne), Fernando Ribeiro (O Datilógrafo), Grupo Empreza (Vesúvio), Maikon K (DNA do DAN), Marco Paulo Rolla (Preenchendo o Espaço), Maurício Ianês (O Vínculo), Rubiane Maia (O Jardim), além de Paula Garcia (Corpo Ruindo).

Em Terra Comunal – MAI, ainda há um espaço dedicado ao aprofundamento de pesquisa sobre performances e arte imaterial, denominado Space In Between (Espaço Entre), onde acontecerão palestras e atividades com artistas e convidados de diferentes áreas. Os encontros com Marina Abramovic no Teatro também integram a programação desta segunda parte do projeto.

Em breve, no Portal do Sesc em São Paulo, você poderá acessar um site com conteúdos exclusivos relacionados à exposição, além da programação completa e informações para participação.

 

The Philosophical Concept of Algorithmic Intelligence

Pierre Levy's Blog

Ancient-Hands-Argentina

Proper quotation: « The Philosophical Concept of Algorithmic Intelligence », Spanda Journal special issue on “Collective Intelligence”, V (2), December 2014, p. 17-25. The original text can be found for free online at  Spanda

“Transcending the media, airborne machines will announce the voice of the many. Still indiscernible, cloaked in the mists of the future, bathing another humanity in its murmuring, we have a rendezvous with the over-language.” Collective Intelligence, 1994, p. xxviii.

Twenty years after Collective Intelligence

This paper was written in 2014, twenty years after L’intelligence collective [the original French edition of Collective Intelligence].[2] The main purpose of Collective Intelligence was to formulate a vision of a cultural and social evolution that would be capable of making the best use of the new possibilities opened up by digital communication. Long before the success of social networks on the Web,[3] I predicted the rise of “engineering…

Ver o post original 6.361 mais palavras

O Mundo é Plano: Uma Breve História do Século XXI

Blog Cidadania & Cultura

O Mundo é Plano

Elogiado pela crítica e sucesso mundial de vendas (mais de 4 milhões de cópias vendidas no mundo), O Mundo é Plano tornou-se já referência na história das relações internacionais. Na verdade, o autor-jornalista é um contador de boas histórias, porém não efetua uma análise crítica dos fatos descritos com o uso de conceitos teóricos.

Seu autor, Thomas Friedman, nasceu em Minneapolis, em julho de 1953. Colunista de relações internacionais do New York Times desde 1981, ganhador de três prêmios Pulitzer, é considerado um dos jornalistas mais influentes do mundo. Visite seu site: http://www.thomaslfriedman.com/

Ele foi pioneiro em enxergar e definir a “nova globalização”, era em que os avanços da tecnologia e da comunicação permitiram que os indivíduos se conectassem como nunca antes, transformando as noções conhecidas de distância, tempo e trabalho. Momento este, defende o autor, que se mostrou positivo para os países emergentes, seus negócios…

Ver o post original 1.175 mais palavras

Propensão ao Crescimento (por José Eli da Veiga)

Blog Cidadania & Cultura

Historical_Places__Peru

Todas as referências bibliográficas que apoiam o ensaio compartilhado abaixo estão no livro do José Eli da Veiga, “Desenvolvimento Sustentável – O Desafio do Século XXI”, Editora Garamond, 3ª ed., 2008). Ele publicou o ensaio (Valor, 02/01/15) como espécie de crítica indireta, porém não explícita, ao livro “O Capital no Século XXI”, de Thomas Piketty. Quando este fez uma apresentação na FEA-USP, para o lançamento de seu livro no Brasil, os intelectuais provincianos (e neoliberais) que o cercaram tentaram provar para a audiência, sem convencer, que o livro dele está equivocado! Ciumeira do sucesso alheio é uma praga que assola os nossos autores vaidosos de seus artigos acadêmicos, que acumularam “pontinhos Qualis”, mas que jamais publicaram um livro best-seller de qualidade…

Verifiquem a metodologia de Thomas Piketty no post anterior e confiram que enquanto ele fala de baixo crescimento da renda per capita mundial, ou seja, uma renda média…

Ver o post original 3.218 mais palavras

Is it necessary to marry in life? What is the physical relationship between man and woman?

Publicado em 29 de dez de 2013

Bombay (Mumbai) 1984 – Question #4 from Question and Answer Meeting #1

‘Is it necessary to marry in life? What is the physical relationship between man and woman?’ (1984)

These videos are brought to you by the Krishnamurti Foundation of America and by the Krishnamurti Foundation Trust, UK. We maintain extensive archives of Krishnamurti’s original works and are actively engaged in the publication of material in various forms.

For more information about J. Krishnamurti and the Krishnamurti foundations:

International Site – http://www.jkrishnamurti.org/
Facebook – https://www.facebook.com/jk.krishnamurti
Twitter – https://twitter.com/orgKrishnamurti
Krishnamurti Foundation Trust, UK – http://www.kfoundation.org/
Krishnamurti Foundation of America – http://www.kfa.org/
Krishnamurti Foundation of India – http://www.kfionline.org/
Fundación Krishnamurti Latinoamericana – http://www.fkla.org/

Jiddu Krishnamurti Interviewed On Love, Sex & Pleasure.

http://www.youtube.com/watch?v=lIe5HOj50uQ

Publicado em 3 de mar de 2012

The Dawning of Identity—Experience Is Binding
A Zen master wrote that the ego projects an ego on which to work in
order to preserve its own primacy; i.e., so long as you are working at
fixing this ego, or altering it in some way, you are firmly protected
from looking in the mirror. All eyes are focused, so to speak, on ego2
while ego1 remains unnoticed.
Try this experiment. Close your eyes. Notice how you feel right
now—present in the body. Go ahead and feel the complete
sense of the
position of your body and any sense of comfort or lack of comfort. Now
notice the feeling of being your self—the feeling of having an identity.
Notice the sense of self-awareness that is present. This sense of self
surrounds all perception and experience. You are you. You feel—”I
am.” This sense of self is behind all thought. I want you to focus your
attention—not with worded thought—but with direct feeling of this
sense of being you.
Now there’s just one problem with this—and that is—that entire
sense-of-self, that whole feeling of being you, that lovable “I-ness” is NOT
going to survive death. You need to remind yourself of this because
you have it in your head that it is the body that’s not going to survive.
Where—pray tell—are you going to live without your body?
Since you don’t really believe this, if you are still focused keenly
on that sense of “you” being here “now,” ask yourself this question: From
where does this sense of self arise? Where were you before your birth?
Where will you be after your death?
Can you even put your finger on the essence of this sense-of-being
without placing it in a personal context? Can you separate awareness
from yourself without taking ownership of it?
This self-identity is not your real being. This sense of self is
the egocentric position that takes ownership of everything—even of
awareness. Do not mistake the two as the same. That personal identity
is impermanent. Only the impersonal awareness that powers it is
permanent. The self you feel yourself to be right now is impermanent.
It is entirely dependent upon an impersonal awareness. Do not invert
reality. That identity felt as the sense-of-self does not possess awareness.
Awareness
is entirely independent of it. When you hold to the notion
that you possess awareness, you cannot imagine awareness absent
your personal identity