QUANDO O PENSAMENTO É UMA MORADA

Quando o pensamento é uma morada, por Fernanda Carlos Borges

 
          Quando colocamos nossas ideias em palavras agimos como um engenheiro que planeja uma casa segura e também como um arquiteto que projeta nela o prazer estético, pois ninguém vive apenas de segurança… Não moramos apenas dentro de casas, sob os telhados e envolvidos em paredes, também moramos dentro das estruturas formadas pelo que pensamos e há nelas sempre algo de estético: uma determinada sensibilidade, formas de sentir e de perceber. Buscamos abrigo dentro dos nossos pensamentos como nos abrigamos dentro das nossas casas. Quanto mais conseguimos representá-lo em palavras mais abrigados nos sentimos. E como as casas podem ser iguais, semelhantes e diferentes umas das outras, assim também são os pensamentos representados na forma de palavras. Algumas casas são mais fechadas e outras mais abertas, algumas tradicionais e outras modernas, modestas e luxuosas, espaçosas e práticas, excêntricas e básicas. Algumas casas estão sempre abertas para receber os amigos. Outras fechadas para a exclusividade da família. Tem de tudo, assim como há de tudo nas moradas do pensamento. Com frequência sonho com o interior de casas. Os sonhos têm sempre o mesmo padrão: entro em uma casa que é minha e, ao andar por ela, descubro novos cômodos dos quais eu não tinha conhecimento no início. Há uma sensação de aventura ao descobrir estes novos espaços e meus sentimentos são de surpresa e gratidão. Somente agora me ocorre que estes sonhos podem representar as adaptações às novas circunstâncias, como formas de pensar e de agir que se transformam e evoluem, como a casa que cresce. Há em nós, sempre, capacidades latentes e desconhecidas que se manifestam ao longo das exigências da vida. Novas formas de elaborar a ação e a percepção da realidade, e que fomam novas moradas subjetivas. Quando conversamos com os outros é como se estivéssemos fazendo uma visita às suas casas-pensamento. Como se, num outro plano espaço-temporal, estivéssemos simultaneamente visitanto e sendo visitados. Algumas dessas moradas nos parecem hostis, outras confortáveis e ainda outras instigantes. Algumas parecem mal-ajambradas, outras bem planejadas e ainda outras demasiado improvisadas. Dá trabalho transformar pensamentos em palavras. Encontrar as palavras certas é sempre um alívio e não encontrá-las pode ser o início do caos. As palavras são sempre o contorno do pensamento, embora o fluxo do pensamento sempre o ultrapasse. Enquanto as palavras formam a estrutura da morada dentro da qual nos sentimos seguros, o fluxo do pensamento é o que abre as portas e vai á rua suscetível ao inesperado. Quando volta, sendo tocado, quer fazer reformas: trocar cortinas, pintar paredes, consertar as palavras e os conceitos que se deterioraram com o tempo. E assim a construção nunca termina, como nos meus sonhos com casas vivas, quase dançantes. Bem vindos, meus queridos leitores, às constuções das minhas moradas.
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s