Martin Jacques: O Sonho Chinês- O Futuro em Perspectiva Histórica

Prezados geonautas,

Esse artigo de Martin Jacques, que fiz uma tradução livre abaixo, mais uma vez, coloca o mundo ocidental em estado de choque, devido ao tamanho das mudanças quando se olha à frente, é isso que faz com que o mundo ocidental continue em completo “State of Denial”, em quase desespero, quando se olha para o futuro, para as próximas décadas.

Essa foi a visão de Andre Gunter Frank em fins dos anos 80: The World System: Five Hundred Years or Five Thousand? (Sistema capitalista Mundial: 500 anos ou 5.000 anos?).

Essa foi a visão também de Celso Furtado, sua reflexão entre Ocidente e Oriente no fim do século XX e seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras. Que sintetizei em meu artigo de outubro de 2013: Celso Furtado e o Ocidente em ‘State of denial’ .

Essa também foi a visão de Giovanni Arrighi, desde seu artigo de 1993, The Rise of East Asia: One Miracle or Many?, assim como seu livro de 2007,  “Adam Smith in Beijing”, na qual ele dedicou o livro – a primeira página para André Gunter Frank.

Martin Jacques é o intelectual hoje que se especializou nesse tema, nessa ‘big’ mudança global, desde o lançamento do livro em 2009, “Quando a China mandar no Mundo”.

A agenda global da mídia ocidental, está permeada por “political bias”, seja o debate sobre superpopulação, aquecimento global e outros temas, é uma mera desculpa, falta de visão e de coragem, de não saber como encarar a crise do modelo eurocêntrico dos últimos séculos. A sociedade ocidental pode se tornar uma sociedade covarde?

Quem viver verá!

Sds,

Martin Jacques: O sonho Chinês – O Futuro em Perspectiva Histórica (Shanghai, 07/12/2013)

O termo Sonho Chinês tem sido utilizado várias vezes pelo presidente Xi Jinping desde 18 º Congresso do Partido Comunista Chinês, em novembro de 2012. O termo tornou-se um grande foco de discussão na China. O artigo abaixo foi dada como um discurso em uma conferência realizada em Xangai em dezembro pasado.
O Sonho Chinês é um novo ponto de partida – tanto como uma idéia política e slogan (um lema). Trata-se, em primeiro lugar, imediatamente acessível e, como resultado, populista. Todo mundo sabe sobre os sonhos, todos nós temos, seja em nosso estado sub-consciente ou consciente. Sonhos pertencem a todos. Há também uma sensação de liberdade sobre sonhos. Quando sonhamos, não estamos limitados pela circunstância material ou o mundo real, pelo contrário estamos autorizados a escapar desse tipo de restrições. Sonhos empoderam: eles são altamente pessoal, todos e cada um de nós somos autor. A evocação da palavra sonho _ nos convoca a todos, a ser ousado, a imaginar o mundo não como ele é, mas como poderia ser, como gostaríamos que fosse.
O termo Sonho Chinês é do tempo presente: o seu momento chegou. Isso não teria sido adequado em 1978. Que não foi a natureza do daquele momento, daquele tempo. O termo Sonho Chinês chama os chineses a seguir em frente, a pensar de novo e recomeçar, virar uma nova página, para começar um novo capítulo. O Sonho Chinês anuncia o início de algo novo, mas também o fim de algo: o fim da era de Deng Xiaoping.
As prioridades primordiais da era Deng foram o crescimento econômico e a  redução da pobreza. Tudo era para ser subordinado a estes objectivos. China buscou preservar um perfil de pouca visibilidade e evitar conflitos com outras nações para a causa maior do crescimento econômico. A política externa foi adaptada aos imperativos nacionais. O país seguiu uma relação amigável com os Estados Unidos porque este foi uma estratégia visto como a chave para o acesso da China ao sistema internacional e os mercados globais. A era Deng exigiu uma extraordinária auto-disciplina e obstinação, bem como enorme esforço. A fuga da pobreza exigiu algo semelhante a uma visão comum por parte dos líderes e do povo também. O grande sucesso da era Deng significa que a China está agora em um lugar muito diferente de onde ele foi mais de três décadas atrás. Ele agora pode começar a sonhar. Sonhar em 1978 era um luxo que não se podia pagar.
A era Deng implicou uma estratégia econômica relativamente simples: a mudança do campo para as cidades, trabalho intensivo de produção-fábrica, uma economia orientada para a exportação e elevados níveis de investimento e medidas sociais, como a política do filho único, que poderia ajudá-la nas prioridades econômicas do país. Seria errado dizer que essas políticas estão agora esgotados – elas ainda são pertinentes para faixas importantes da economia Chinese -, mas agora elas estão em rápido declínio de eficácia e relevância para a economia como um todo. A declaração aprovada pelo Terceiro Plenum projeta uma economia que está irreconhecível em comparação com 1978, propõe um tipo muito diferente de estratégia econômica, e abarca um conjunto muito mais diversificado de objetivos econômicos.
Há dois aspectos da declaração do Terceiro Plenum que são particularmente marcantes. Em primeiro lugar, é um radical – e altamente coerente – documento. É imbuído da crença de que a China chegou ao fim de uma etapa em seu desenvolvimento e agora deve embarcar em um novo. A nova estratégia é o que a declaração está em dizendo. Em segundo lugar, a declaração é caracterizado por uma enorme sensação de confiança tanto sobre a necessidade da mudança e da capacidade da liderança para alcançá-lo. Ele combina uma visão de futuro com um forte praticidade: o métodos testados e comprovados de tentativa e erro vai ser continuado.
A mudança da era Deng ao que, de forma resumida, vou chamar a era Xi, não é simplesmente econômica, mesmo que tenha sido o discurso dominante da era de reforma até então e, em grande medida – embora eu suspeite que cada vez menos no futuro – ainda é. O modelo de Deng era multi-dimensional em caráter: orientada para a exportação e da política econômica de trabalho intensivo, a política do filho único, uma política externa enxuta, um estado reformado e reaproveitado, e assim por diante. Mas as prioridades econômicas que confrontam o país necessariamente em forma e subordinados mais ou menos como todo o resto. O modelo Xi é semelhante multi-dimensional, mas de uma forma diferente e mais complexa. As mudanças econômicas necessárias, é claro, estão em primeiro plano: a mudança de ênfase para o consumo (interno), em vez das exportações, a produção de valor agregado, o setor de serviços, um crescente setor financeiro e um papel cada vez mais importante para sua moeda, o yuan (renminbi). Juntamente com estes, no entanto, estamos vendo o início do fim da política do filho único, a reforma do sistema hukou, uma mudança qualitativa para as prioridades ambientais, uma enorme extensão de segurança social, e um serviço de saúde devidamente financiados e abrangente . Em 2020 a China é encarado como sendo um país moderadamente próspera. Em meados do século, projeta-se que o Sonho Chinês terá sido realizado. O sonho não é concebido apenas em termos econômicos, em busca de prosperidade, mas como todos os sonhos, é sobre a vida em seu sentido mais amplo. Quando você é pobre, a economia é tudo, como você crescer mais rico, em seguida, outras considerações e necessidades assumem um papel muito mais importante. A confiança que estas ambições expressar é impressionante, especialmente para uma liderança, cultura e país que é marcado por sua cautela e sobriedade.
O Sonho Chinês, enfatizando a importância da nação e sua unidade, sugere um tipo diferente de relacionamento entre o Estado ea sociedade. E manifestamente capacita o indivíduo como o indivíduo também é estimulado a sonhar não apenas o futuro do país, mas o seu próprio futuro. Já podemos ver isso entre os jovens, com seu senso de otimismo e possibilidade em relação ao futuro. Os chineses vão, ao longo dos períodos imaginados na declaração Plenum, passar por uma enorme transformação de inúmeras maneiras diferentes: um tipo diferente de indivíduo Chinês, mais cosmopolita, mais global, mais empatia, mais confiante, mais mente aberta, mais consciente ambientalmente , vai surgir. Mas o Sonho Chinês é, no entanto, acima de tudo, um sonho sobre a China, sobre a nação e sua metamorfose.
O Sonho Chinês, como previsto por Xi Jinping, é visto como realizar o grande rejuvenescimento da nação chinesa e, como tal, argumenta ele, é o maior sonho na história moderna do país. O que isso significa? Um aspecto é claramente, a transformação econômica, política, cultural e social do país. Mas “o grande rejuvenescimento da nação chinesa” não é simplesmente um fenômeno nacional. As grandes conquistas da China em dinastias anteriores, como o Tang e Song são reconhecidos como tal, porque os padrões internacionais eram tão avançada para o seu tempo.
So ‘o grande rejuvenescimento da nação chinesa’, que abriga um quinto da população do mundo, deve também e igualmente ser visto como um fenômeno internacional, ainda mais em uma era globalizada, que terá profundos efeitos globais e conseqüências. ‘A grande rejuvenescimento da nação chinesa’ vai transformar o relacionamento da China com o mundo e esta é uma parte integrante do Sonho Chinês. Na verdade, este é um dos elementos mais ousados do Sonho Chinês.
Vamos considerar este aspecto do Sonho Chinês no contexto da história chinesa recente. A característica central da era Deng, ou seja, o período de 1978 e 2013, tem sido uma preocupação exagerada com o presente. Sob as pressões da modernização e da fuga da pobreza, a mente chinesa foi treinado e ensinado a ter um foco estreito – para não viver no passado ou sonho de um futuro diferente, mas concentrar-se predominantemente no presente. A História teve que tomar um banco traseiro (segundo plano) – excepcionalmente na China – por causa das demandas irresistíveis do presente. Quando eu estava escrevendo meu livro, entre 2005 e 2008, fiquei impressionado com o quão pouco havia se pensado sobre o futuro da China por referência à história do país. As exigências do presente feito isso um luxo que o país não poderia se dar ao  luxo. Um sinal claro de que a era Deng está chegando ao fim é que Xi agora sente que chegou o momento em que a China pode enfrentar mais uma vez a sua paisagem histórica, que uma perspectiva histórica é mais uma vez uma parte integrante do pensamento atual de que o presente deve ser visto no contexto da história da China – não apenas história pós-1949, mas a história chinesa em um período muito mais longo.
A questão crucial aqui é o ponto de virada no final do século XIX, como precipitado declínio da China veio a minar tanto a integridade interna do país e a posição internacional. O historiador tardio americano , Lucian Pye observou que “a China é uma civilização fingindo ser um Estado-nação, ‘obrigado pela sua própria fraqueza no final do século XIX para se adaptar às normas europeias do sistema internacional. A China, no entanto, já não é fraco, pelo contrário a cada dia que passa torna-se mais forte, é palpável em ascensão, seu humor muda de um de quiescência de manter sua cabeça para baixo para um crescente sentimento de confiança e expansividade. A era que Pye descreve está finalmente chegando ao fim. A China está longe de ser capaz de expressar-se em uma forma concreta a respeito de questões de Pye, mas ele pode, depois de mais de um século em que seu longo declínio e recuo relegou para os livros de história agora começar a explorá-las. Eles estão mais uma vez na ordem do dia. As duas questões levantadas – ou pelo menos insinuado – por Pye são os seguintes. Em primeiro lugar, o que significa ser um estado-civilização, em vez de um Estado-nação e, segundo, quais são as implicações se a China não é mais exigida por sua própria fraqueza para se adaptar ao sistema internacional desenhado pelo Ocidente , mas poderia buscar modificar e moldá-la de acordo com suas próprias necessidades, personalidade e história.
Estas são as perguntas, é claro, para o qual ninguém ainda tem a resposta. Uma coisa, porém, é claro. A continua ascensão da  China vai significar uma grande mudança no cenário internacional, o maior desde que a era moderna foi iniciada com a Revolução Industrial na Grã-Bretanha. Em tais circunstâncias, é inconcebível que o sistema internacional tal como a conhecemos hoje vai sobreviver. Ele será transformado em inúmeras maneiras diferentes. Já existe um reconhecimento incipiente que a mudança é inevitável. No entanto, as presentes discussões sobre o futuro do sistema internacional – ou, dito de outra forma, a forma da política global e dos seus diferentes elementos, incluindo os Estados-nação – tendem a ser reduzidos a e assumir a forma de um debate institucional sobre o futuro do FMI e do Banco Mundial. Mas isso é para se perder nos detalhes, para falham em reconhecer a grande imagem e, assim, compreender as questões muito mais amplas em jogo. Ela reflete uma incapacidade fundamental para pensar fora da caixa os termos do atual sistema internacional, uma falha de imaginar algo fundamentalmente diferente, uma incapacidade para apreciar o que será uma grande mudança de paradigma. A ascensão da China requer exatamente esse tipo de pensamento. Apenas o que o mundo pode parecer quando já não é moldada pelo legado da dominação ocidental, representando, como faz, menos de 15% da população do mundo, e em vez disso é formada por aquilo que hoje conhecemos como o mundo em desenvolvimento que representam 85 % da população mundial, com a China, de longe, o jogador mais importante, requer um enorme salto de imaginação. É muito improvável de ser muito semelhança com o mundo como nós o conhecemos agora. Mesmo o domínio do sistema de Estado-nação, como sabemos agora que poderia muito bem ser posta em questão. Não é só a China, como um estado-civilização, que se encaixa, inquieto com as velhas normas europeias do Estado-nação. Isso não é verdade também em várias maneiras de muitos outros países não-ocidentais, como a Índia, o Irã, a Turquia e a Nigéria? As ex-colônias ocidentais tinham pouca opção a não ser adotar a forma de Estado-nação. Mas imagine um mundo em que a China, como um estado-civilização, é a influência dominante. Este poderia muito bem ser o catalisador, em um mundo pós-ocidental, por uma maior diversidade na natureza das formas de estado.
Em meu livro, defendo que a maneira que a China vai ver suas futuras relações com o mundo, e de fato, como se trata de ver a si mesmo em sua encarnação moderna, é obrigado a ser fortemente influenciada pela sua própria história: isso é verdade, em alguma medida com todos os países, é claro, mas no caso da China especialmente. Nenhum país é tão íntimo com, ou  influenciada por, sua própria história,  como a China. O discurso do Sonho Chinês vai permitir e incentivar os chineses a explorar de uma maneira nova a relação entre a história do país e do seu futuro. História, ao contrário da era Deng, mais uma vez se tornará extremamente importante nas discussões chinesas sobre o futuro. Mas a história não é o único jogador. O futuro da China será moldado pelo seu desenvolvimento moderno, bem como pela sua história. Os dois são muito diferentes. Esse é o ritmo extraordinário e o dinamismo da modernidade da China que a China está passando por um processo de reinvenção constante. Um exemplo fundamental disso é a cultura chinesa. Fundamental, pois é a noção do que é e quem são os chineses do país, a cultura tradicional chinesa é por si só agora sujeito a um profundo processo de reinvenção. Por outro lado, é claro, o mundo mudou muito em comparação com o que era um século ou mais atrás. Não é razoável argumentar que o pensamento da China sobre a Ásia Oriental será influenciado pela experiência do sistema tributário, mas seria ingênuo sugerir que qualquer futura ordem do Leste Asiático irá espelhar o sistema tributário: a questão-chave é de que forma issa experiência histórica pode moldar a Ásia Oriental e de que forma ela não vai moldar.
Isso me leva ao meu ponto final. Há uma crescente confiança sobre a maneira em que a China vê o futuro e seu próprio lugar dentro dele. Há duas razões subjacentes para isso. A primeira razão é a própria transformação da China. Seu sucesso tem imbuído o país e sua liderança com um forte senso de auto-garantia e auto-confiança, e isso também investeeles com uma forte ligação e compromisso com a importância e a virtude da mudança. A segunda razão envolve uma tela muito mais ampla, ou seja, uma transformação global mais amplo. Isto pode ser resumido como se segue. O centro de gravidade global está se deslocando do mundo desenvolvido, onde vive uma pequena minoria, para o mundo em desenvolvimento, onde vivem a grande maioria da população do mundo. Um grande número de países já estão em processo de modernização. Esta é a tendência fundamental do nosso tempo. China, além disso, está em processo de estabelecer-se como a agência de chave e catalisador para o seu desenvolvimento. Da África e da América Latina para o Sudeste Asiático e Ásia Central, Ela está desempenhando um papel cada vez mais importante. Ou, dito de outra forma, na tendência que define a nossa época, a China ocupa uma posição estratégica chave. Seu próprio desenvolvimento requer importações de muitos países em desenvolvimento, enquanto o último precisa do mercado chinês como uma fonte de demanda por seus produtos. Cada vez mais eles também exigem empréstimos chineses e investimento interno. Em outras palavras, existe uma relação de interdependência crescente, daí a ênfase Chinês em interesses mútuos, desenvolvimento comum e uma relação ganha-ganha. China tornou-se o motor de transformação do mundo em desenvolvimento. Ao mesmo tempo, é também um microcosmo do que pode ser alcançado por outros países em desenvolvimento. Como um país desenvolvido, é impossível para os Estados Unidos jogar, exerger essa função, este tipo de papel. Trata-se, neste contexto, estar do lado errado da história. Enquanto ela procura fortalecer o sistema internacional existente, o mundo em desenvolvimento estão no centro de uma nova ordem mundial, que acabará por substituir.
O Sonho Chinês, portanto, não se limita à China. Trata-se também o papel da China na transformação do mundo em desenvolvimento e, no processo, a transformação do mundo. A crença de que a ascensão da China está alinhado com essa transformação global mais amplo é extremamente poderosa. Não é de surpreender que a China está se sentindo cada vez mais confiante. Parece que a história está do lado da China: que a China está do lado da mudança, e que a mudança está do lado da a China. Uma combinação poderosa.
Anúncios

The World Overpopulation is a myth?

Hi,

This article is my analysis on global overpopulation, in the course of University of Edinbugh:
Critical Thinking in Global Challenges, by professor Mayank Dutia, Dr. Celine Caquineau

https://class.coursera.org/criticalthinking-002/forum/thread?thread_id=1559

Hi everyone,
The debate about the uncontrolled growth of the world population that is directly related to the global warming debate in a way is a return to Malthusianism ( Thomas Malthus ) . Thomas Malthus , is considered the father of demography for his theory to control population growth , known as Malthusianism. His Essay on the Principle of Population observed that sooner or later population will be checked by famine and disease , leading to what is known as a Malthusian catastrophe . He wrote in opposition to the popular view in 18th -century Europe saw the improving the society and in the principle perfectible .
The development of the last two centuries proved he was wrong back than , and countless scientific studies show that the increase in world population is almost equated question.
How developed countries equated their problems to have many children?
I would like to remind everyone that in the late nineteenth century and early twentieth century Europe “exported” millions of families to the world, including my country, Brazil. The same has happened again in the second great war for other reasons.
The northern countries basically eradicated poverty in post WWII, and therefore equated with population growth. Today European countries face the opposite problem, an aging population, with a birth rate often below what is considered minimum to maintain the population.

Clearly, this is a path and a many scenario shown numerous works, including the UN, unlike the myths and prejudices about world overpopulation, since Thomas Malthus, end poverty and improve the quality of life in the developing world, following the track of the northern hemisphere in the second half of the twentieth century, is a routed and pretty much equated solution.

As someone already said, the world changes since pre-history, what not changes are human problems: power, money, love and hate. Lots of ideology and little “common denominator” to solve problems. “If ideas prevail over mankind, a long time peace had already arrived on earth.”

Souces:

1- Will saving poor children lead to overpopulation?

http://www.gapminder.org/videos/will-saving-poor-children-lead-to-overpopulation/

2- DON’T PANIC — The Facts About Population

http://www.gapminder.org/videos/dont-panic-the-facts-about-population/

3- Thomas Robert Malthus

http://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Robert_Malthus

4- Celso Furtado and the West (Society) on ‘State of Denial’

https://engenhonetwork.wordpress.com/2013/10/03/celso-furtado-and-the-west-society-on-state-of-denial…

O Mercado como Deus

Cidadania & Cultura

Deus_Mercado

Quando circulei meu Texto para Discussão, Poupança: Economia Normativa Religiosa, a estimada professora da UFRJ, Ana Célia Castro, enviou-me o link de um artigo com a mensagem: “Você vai adorar.” Dito e feito, adorei sua ironia! E resolvi traduzi-lo. Não foi fácil, pois tinha muitos termos religiosos que eu desconhecia, tal como “dispensação“: período de experiência a que um protestante é submetido para provar a sua obediência a algo especialmente revelador da vontade de Deus. Seu subtítulo é: “Viver na nova dispensação”.

Harvey Cox é professor de Teologia da Universidade de Harvard. Publicou o texto abaixo no dia 1 de março de 1999, ápice da Era Neoliberal, após as crises mexicana (1995), asiática (1997), russa (1998), brasileira (1999). Vislumbrou o que ocorreria a partir da divinização de O Mercado.

“Alguns anos atrás, um amigo aconselhou-me que “se eu quisesse saber o que estava acontecendo no…

Ver o post original 4.360 mais palavras